segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Love is a Drug, like a Drug





Então, concluo (?) que tudo que andei falando esta noite sobre o amor é uma crise de abstinência. é a fissura, é o vício. é o fumante nervoso, o alcoolatra impaciente. entediado. Como todas as pessoas que passam por isso. ele é uma droga altamente estimulante, relaxante, ansiolítica, antidepressiva, sedativa..o amor é a mais forte das drogas. todas juntas ao mesmo tempo. a maior viagem, a viagem mais longe desse mundo e realidade. assim é o amor. droga, viciante. Meu organismo parece sentir falta dela. mas relembrando: é uma droga. há de passar. há de passar.

2 comentários:

Pedro disse...

Diante de tudo o que foi dito (sim, andei lendo... hello, insônia!), não invalido qualquer dos seus argumentos, ou melhor, relatos: é o que se passa na sua cabeça e no seu peito, são os seus sentimentos, é o seu ponto da história e - por isso mesmo - tem muito valor; todos os enamorados, a seu singular modo, já passaram por isso. O máximo que me atrevo a comentar (se puder, claro) é que essa é a definição de paixão: aquela completude e devoção, a leveza e o bem-estar, a pequena obsessão e a felicidade aparentemente perpétua, o barato que - talvez pela intensidade - cause a maior dependência já conhecida pelo homem.

Amor, a meu ver, não tem o mesmo brilho, a mesma intensidade; é o misto de ódio e necessidade, é a discrição, é aquilo que - de tão discreto - quando você vê, tornou-se parte de você (vide o amor aos amigos e familiares... não da mesma forma, claro, talvez apenas no fato de que foi se firmando com o tempo, com as turbulências e calmarias). Sei que não tenho essa propriedade pra distinguir definitivmente os dois, mas é algo que percebi depois da primeira paixão. Ela é droga, vicia. Pode se transformar em amor, mas isso também não é regra.

Quanto ao que fazer, tome um tempo pra si, curta o luto... é o tempo de descansar pra se reerguer e seguir em frente de novo, não podendo - apenas - parar de vez. Força, rapaz!

"Que não seja imortal, posto que é chama, mas que seja infinito enquanto dure."

(tinha que terminar com um clichê desses, putaquepariu! Mals, aí!)

paulo raic disse...

love is the answer !!!