terça-feira, 13 de abril de 2010

escrevo.


A verdade meus amigos, é que toda pessoa escreverá melhor, bem melhor, quanto mais triste estiver. é o que acredito. é o que sinto. Acho que quando você não sente necessidade de escrever, você está lá fora, vivendo, sem tempo pra pensar, sem tempo pra transpor em palavras daquela forma em que você respira mais devagar. Eu falo representando aquele time de pessoas que escreve analgesicamente, pra acalmar, pra aliviar alguma angústia, das tantas que têm aqui. os escritores de verdade, aqueles que se orgulham do que fazem e vivem, meus perdões. eu só escrevo pra desengasgar. eu só escrevo, pra depois de um ano, dois, abrir essas caixas empoeiradas e não me reconhecer mais. não acreditar que passei por aquilo tudo, e me surpreender. como sobrevivi, que estratégias de sobrevivência desenvolvi. eu amo vocês, escritores de verdade. os que repassam, através de milênios, essa energia, essa salvação via edições, reimpressões. mas eu sei que estou aqui escrevendo só pra isso, pra não esquecer do dia de hoje. eu sei que estou triste, bem triste, e por isso escrevo agora. tenho a leveza e liberdade de não ser poeta. ( SOU alegre e SOU triste ) isso me basta, pra saber que em breve me canso de escrever, mas enquanto precisar de tal, faço sem vergonha. acato.

5 comentários:

Will disse...

Eu sei que dizer que sou seu fã não ajuda em nada. Mas pelo menos deve ser reconfortante saber que seu texto foi expressivo o suficiente pra mexer com meu humor tambem. (isso é uma coisa boa, apesar de não parecer... O_o')

Pedro disse...

Eu desenho quando estou triste... ou com raiva... ou alegre (mas com tempo de parar um pouco) e particularmente acho que criamos as mais belas coisas (sejam textos, desenhos, músicas ou qualquer outra "válvula de escape") quando estamos nesse estado introspectivo... É quando nos despimos de qualquer rótulo ou molde e criamos como nós mesmos. Então aproveite esses momentos; acho que você dificilmente encontrará registros mais fieis de si mesmo do que nesses textos.

(e nunca esqueça o caminho de volta dessas incursões... é importante)

Anônimo disse...

Escute The Carpenters que passa! (Se nao der certo, tenho mais outras oitenta e oito receitas infaliveis =T)

Joapa disse...

querido anônimo, eu acho que vc deve compartilhar as 88 pílulas analgésicas comigo!

Anônimo disse...

Joao tenho aversao a remedios. Mas adoro ouvir o que as pessoas tem para falar. Te empresto meu ouvido e em troca jogamos as oitenta e sete pilulas de analgesicos no lixo, ou melhor, pintamos todas elas e fazemos arte! O que me diz?

Deixo uma no seu bolso em caso de emergencia!