quinta-feira, 20 de agosto de 2009


Bom, sobre a nova música da Madonna. Era o que eu esperava: morna, sem sal, previsível. não é ruim, mas também longe de ser ótima, ser hit. Já fui fã incondicional dela, como MUITOS ainda são hoje. Agora sou um admirador de toda a obra de Madonna e não tenho receio de dizer o que acho. Celebration foi produzida pelo Paul Oakenfold, um dj-produtor venerado nas pistas gays, sim, me refiro às pistas onde toca Tribal House, barbies dançam sem camisa, tudo isso. Não é o som que me inspira, nem que gosto, portando soará mais agradável pra quem aprecia esse tipo de sonoridade e ambiente. Os vocais de Madonna, sim, estão muito bons, mas é irritante essa Madonna querer insistir numa festa que nunca acaba. Até porque é difícil acreditar nessa celebração tão espontânea e feliz que Madonna canta. não cola, não convence. Desde o fim da era Confessions e Hard Candy Madonna não me desce. a embalagem Madonna por si só não é suficiente para me causar aquele soco químico de Music, Vogue, Express Yourself. Ela se esforça, malha, sua, testa os limites do seu corpo pra continuar sustentando o mito Madonna, mas a concorrência com as cantoras mais novas está aí forte, evidente. Madonna não perdeu seu valor. é a lenda viva do pop. é o pop vivo, mas meio de férias talvez.
Do single oficial de Celebration, eu só consigo ouvir a versão da dupla brasileira Felguk, que você baixa aqui.

3 comentários:

Introspective disse...

Também não curto o Oakie e tb achei a música meio cheesy demais. Mas ainda assim é melhor do que qualquer coisa do insosso Hard Candy. Confessions eu achei um disco genial... pena que ela não veio pro Brasil com a turnê desse disco.

Anônimo disse...

Pra quê se jogar numa enorme contradição só para tenter gongar Madonna?
Uma festa que não tem fim? Madonna pode muito bem trabalhar com isso, visto que ela já provou sua consistência e dignidade artística faz muitos e muitos anos, e de várias formas, coisas que pouquíssimos dessa area foram capazes de fazer.
Horrível, clichê e vergonhoso é uma artista que faz essa festança desde quando se lançou e ainda não se tocou que não passou de mediocridade.

LLeJ disse...

Tipo, um pouco superficial a sua analise de Celebration, nao? Como a propria Madonna diz, ela nao gosta de explicar as proprias cancoes, gosta que as pessoas julguem por si so. Sendo assim, vamos considerar Celebration uma cancao apenas de comemoracao mesmo (como Madonna se limita a explicar a cancao).

Sim, ao contrario do que voce diz, ha muito o que comemorar. Madonna comemora o fim de uma etapa de sua carreira, o fim do contrato com a Warner. O inicio de TOTAL controle sobre sua musica (nao apenas direitos autorais, mas a forma de divulgacao), o fim de um casamento infeliz, 26 anos de musica, uma turne historica, alias, a maior turne de um artista solo.

Se tudo isso nao eh motivo pra comemorar, eu honestamente, nao sei o que eh. O que vc acha?

Sobre CELEBRATION, vc esta um pouco equivocado, alias, muito equivocado. Celebration eh totalmente mainstream Euro-dance Ibiza sound. Nao eh particularmente um tribal house, mas se encaixa na categoria. Barbies que "dançam sem camisa" eh uma visao bastante cliche da cena gay brasileira (Ipanema gay scene ou suas wannabes), ou de alguem que se formou assistindo OS ASSUMIDOS (Queer as Folks).

Na verdade, Celebration eh uma cancao de vibe puramente DANCE Europeia. E, assim como acontece nos dance clubs norte-americanos e europeus, o publico nao se divide em barbies e nao barbies, a perspectiva eh outra. Isso eh coisa de brasileiro (por causa da cena gay carioca) e wannabe-muscle-boy-but-I-can't.

E ao contrario de vc, creio que Madonna malha, sua a camisa, NAO para continuar sustentando o mito Madonna. Ela o faz, justamente, para quebrar a lenda Madonna. Todas as lendas da musica, das artes, ja morreram artisticamente. As lendas, os mitos, nao suam, nao se esforcam para estar no topo, pois ja estiveram e conquistaram tal status. Madonna, ao suar a camisa, ao malhar, ao empurrar seus limites, esta rejeitando o titulo de mito e lenda. Ela se coloca no lugar de batalhadora, como se precisasse se esforcar tanto para estar no topo. E como William Orbit recentemente disse: "ele sabe que Madonna pode fazer algo completamente novo a qualquer instante, entao, por que a pressa?".