terça-feira, 31 de agosto de 2010

Saint Remix

Santo Antonio - nanquim, photoshop. 2010

esse desenho foi uma encomenda de um amigo, mas a versão que apresentamos ao cliente é bem diferente dessa. na verdade eu trabalhei a versão que gostaria que fosse impressa, e apresentei outra mais careta e limpinha. estou chamando as outras versões de remixes, cada uma de uma forma, até achar que realmente me agrada, o que considero utópico, mas vale pela experimentação! o outro remix com patterns você confere no DeviantArt.

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Vetor e Hand made

Bom, vou começar esse post sobre Técnicas de Desenho falando sobre algumas questões gráficas sobre fazer um desenho a mão livre ( nanquim, grafite, etc) ou vetorizado. Antes de mais nada é bom deixar claro que não se trata aqui de fazer um estudo aprofundado nem ser algum tipo de tutorial. Não me acho capacitado para tanto, nem interessado. Vamos imaginar que se trata de um bate papo informal e desde já contribuições nos comentários são bem vindas.

Primeiramente é bom falar dos pontos positivos e alguns talvez negativos de cada uma dessas escolhas, se tratando de desenhos que primam pela linha, por um traço definido e marcado, pra artistas que fazem trabalhos em e com referencias nas histórias em quadrinhos, principalmente.

No fim das contas, tudo é uma coisa só, pois tudo é feito à mão e merece capricho e dedicação, mas vamos falar de acabamento e apresentação.

Vetor: pontos positivos :

- leveza. Quando você transforma sua arte em um arquivo de vetor, ela fica absurdamente leve, sendo mais tranqüilo de guardá-la e processá-la na sua máquina.

- Ampliação infinita. Como os vetores trabalham com cálculos você pode esticar sua imagem até onde puder. Além de poder aplicar milhões de cores e efeitos diferentes com apenas poucos cliques pra N versões do seu trabalho, você pode explorar essa qualidade do vetor para pensar trabalhos em grandes dimensões como a fantástica e veterana artista Regina Silveira, que toma conta de enormes espaços com figuras fabulosas, criando ambientes de contemplação e intimidação artística. Vinil de recorte sempre é feito a partir de vetor, é um recurso muito interessante a ser explorado.





Mundus Admirabilis


- Aplicação. O vetor possibilita um transito da sua imagem por milhares de plataformas e suportes. Além do vinil de recorte, você pode trabalhar fazendo ilustrações para áreas do Design e publicidade, que geralmente solicitam tudo vetorizado, para ser aplicado em embalagens, plotters, outdoors, sacolas, caixas... não há risco da imagem ficar em baixa resolução.

- limpeza e uniformidade. O vetor tem essa característica que eu chamo de “industrial”. Plástica, limpa, sintética, sem ruídos ou gestos. Se seu estilo se pautar por essas características e você ter bom senso e criatividade, pode criar coisas fantásticas. Os pontos negativos como qualquer outro recurso tecnológico são quando você simplesmente usa os recursos por usar, pela necessidade de dominar as técnicas, mas não as usa a seu favor, ficando escravo dos tutoriais e tendências. Falarei disso logo mais, mas basicamente é que como qualquer técnica , os trabalhos em vetor correm o risco de ficar todos com a mesma cara, quando não há questionamento e pesquisa de temas, referencias e principalmente, experimentação.

HandMade : Pontos positivos ( tentarei não puxar tanto a sardinha pro meu lado )

- Expressividade. Um desenho bem feito à nanquim e à lápis têm um peso, uma carga visceral marcante do artista, isso é inegável.

- Variedade de texturas. Quando se trabalha com grafite, carvão, nanquim, você tem acesso a um monte de padrões e texturas, que podem se combinar e criar massas, superfícies de diversos pesos, que seriam um tanto complexas de fazer em vetor.

- Esboço. Nunca ouvi falar em quem esboçasse diretamente no computador. Mesmo que seu trabalho seja todo vetorizado, é no papel, rabiscando, sujando que você pode planejar melhor e com mais liberdade seu projeto. Um recurso que considero meio termo disso são as tablet, que não tenho taaanta intimidade, mas elas são um recurso interessante que conjuga bem características estéticas da limpeza do vetor e dos ruídos de um desenho feito à mão livre.

-Peso. Desenhos à mão livre geralmente tem um peso maior. No sentido de firmeza e presença do modelado, quando se trabalha sombras e volumes.

- Acaso. Particularmente acho que no papel tenho muito mais liberdade e domínio que usando o Corel ou o Illustrator, na verdade, meu vetor é bem verdinho. Não tenho essa manha que muitos usam facinho. Então quando estou desenhando e coisas não saem como planejado, já tenho meus truques para não perder o trabalho, com recorte, sobreposições, manchas, hachuras..não tem CTRL + Z, mas tem outros recursos. Algo que não parece muito comum em programas de vetor, então desenhando e errando quando você não pode apagar, surgem situações em que você é obrigado a lidar e incorporar o acaso, e a ter um traço mais confiante, ousado.o grande pintor modernista Guingard obrigava seus alunos a desenharem com lápis ultra duros com final H. bem secos, e sem borracha para eles pensarem bem o que estão fazendo, além de fazer, simplesmente. É o tipo de limitação e intimidação que faz bem, creio.

Bom, nenhuma técnica é superior a outra. Você tem que se situar como artista e tentar entender qual delas se adapta melhor ao cenário e meio que você pretende trabalhar e vender sua arte. E é claro que elas se misturam. Meu traço muitas vezes é confundido com vetor, em boa parte pela herança das histórias em quadrinhos que fazia pros fanzines que produzi no passado. Desenhar mangá e com referencias de comics americanos me deu uma firmeza interessante sobre o grafite e nanquim, o que também gerou críticas por alguns professores e colegas na graduação, que achavam aquele traço com cara de mangá algo pobre, viciado, duro, sem expressão e sem cara de arte de galeria. Faz sentido sim, mas hoje sei que assumi isso, e a idéia é justamente misturar as facções e criar algo sem tanto rótulo. É claro que o quadrinho ali da banca, feito industrialmente pra ser consumido em massa não é arte, no sentido de arte institucionalizada, mas pegar tudo misturar e ver o que sai, é algo que gosto e tenho tentado constituir em minha pesquisa autoral baseada nessas culturas.

O fato é que o desenho de Hqs é feito à mão, mas retrabalhado com softwares de finalização, que o deixam limpo, praticamente com cara de vetor. Não posso falar desses programas, pois nunca os usei, mas sei que são muito interessantes e proveitosos, tenho vontade de conhece-los mais. Muitas vezes já cheguei ao ponto de vetorizar uma imagem, exportá-la pro Photoshop, imprimi-la, e digitaliza-la novamente, só pra conseguir as texturas e efeitos que quero. Sou sujo e limpo ao mesmo tempo!

Trabalhos em vetor sempre existiram e jamais vão tomar o espaço dos desenhos tradicionais. Nos últimos anos, com o BOOM dos cursos de Design e a facilidade no acesso dos softwares como Corel Draw e Adobe Illustrator fizeram com que houvesse uma certa banalização do vetor, todo mundo passou a achar que só basta saber vetorizar e pronto. Pipocam tutoriais de como vetorizar lindas mulheres sensuais, carrões potentes, a modinha das silhuetas e splashs..enfim, nada que você já não tenha visto em milhares de flyers por aí. O que eu penso sobre isso: fazer o que todo mundo faz, não é interessante, só por fazer. Tendências vem e vão embora, e você fica com um portfólio ultra datado, sem personalidade e vida. Obvio que uma ou outra tendência você vai absorver, mas o que mais tenho visto são trabalhos, especialmente de Designers que se pautam no que está sendo publicado nos sites referencia e revistas como a Zupi, por exemplo. Sempre falo que o Photoshop e qualquer outro programa de Desenho e Edição de imagens é uma ferramenta qualquer, como pincel, lápis, etc. Você é que tem que mostrar domínio sobre eles. É tão boring você ver trabalhos que tem a cara que foram feitos no programa X. que escancaram os filtros e efeitos daquele programa Y. Acho que essa insegurança em saber usar e não criar, é que pasteuriza boa parte dos trabalhos.


( Desenhos do banco de vetores grátis http://resources.bloguite.com )


Da mesma forma que é bem irritante ver estudantes de Artes pláticas achando um desenho só por ser rabiscado, com cara de livro, moleskine, bem sujo, e com todo o pomposé croqui garantem um bom e interessante trabalho. Me cansei de ver caderninhos rabiscados de gente sentada no ônibus, de mendigos, de plantas e objetos, mas que não dizem nada. Repito, não importa o tema ou técnica usada somente, mas a conjugação dos dois! Estudo é uma coisa, trabalho apresentado é outra!

É cair na mesma armadilha dos que acham que computador faz tudo. É preciso pensar gente, escolher bem seus temas, pesquisar, testar e principalmente ser honesto com você mesmo. Não ser tão ingênuo, pois sempre haverá alguém melhor que você, mas se você apresenta de forma organizada, sincera e harmoniosa ( ou propositalmente caótica ) suas idéias e símbolos, é o que importa ). Há muito mais o que falar sobre isso, mas podemos continuar nos comentários, com os pontos de vista de vocês. Pra encerrar o post, acho digno deixar imagens de artistas que trabalham magnificamente com vetor, mostrando que quando se tem domínio das suas idéias , as coisas deixam de ser pasteurizadas e se tornam imagens divertidas e cheias de frescor!

Jared J3Concepts ( USA )

site: http://www.jthreeconcepts.com




Adi. Belldandies ( USA )

http://belldandies.deviantart.com/

MISTER LOVE


da série desenhim do cadernim!

Mister Love é puro Love.
Mister Love não ama, ele é o amor.
Mister Love não se queixa de não ter um amor eterno
Pois saiba que todos que ele amou e foi amado, não será nada esquecido
nem uma migalha de sentimento se perderá no tempo
Mister Love não deixará os pombos do tempo atacarem seu pão de amor.
Mister Love é otimista
Mister Love ama todos e ainda distribui o amor que sobra aos mais necessitados
Mister Love tem amor demais pra um coração só
Mister Love ama as plantas, os animais, os minerais
Mister Love quer casar
Mister Love quer namorar
Mister Love quer se jogar
Mister Love quer fazer confissões na pista de dança
Mister Love chora de vez quando no cantinho da pista de dança
Mas toma um gole de cerveja ou whisky e toma ar
aí tudo fica ok.
Mister Love não esquece uma paixão fácil.
Mister Love não precisa falar muito quando
olham no seu olho daquele jeito.
Mister Love acredita que o munda dá voltas
e o amor volta mais forte, como uma corda de circo
que segura trapezistas, cambaleando de amor
para lá
e para cá.
Mister Love vive o presente. cada dia mais.
pois Mister Love sabe que é a única coisa que tem
é somente amar aqui, e agora.
Ele não sabe mais contar com um futuro.
porque o amor é grande demais pra guardar pra amanhã.
Mister Love faz tudo pra todos se amarem
Porque Amor e felicidade divididas são amor e felicidade em dobro
Mister Love ama a vida.
e a vida ama Mister Love.

domingo, 29 de agosto de 2010

People talking About it


"Mas ele só sabe falar de Lady Gaga!"


foi uma diversão fazer esse desenho-portrait. Posso ser o que eu quiser, inclusive ter o corpo todo tatuado! Aqui no blog deixo essa versão com uma camada cinza por toda a lineart. No DeviantArt deixei a versão clássica em preto e branco. Tenho adorado deixar o desenho sem ajustar o contraste em algumas partes, com essas áreas carregadas de cinza propositalmente sem tratamento de contraste no Photoshop, cru do scanner mesmo. então faço duas versões, que você confere aqui. Espero que gostem. :D

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

mãos à obra!

uma novidade no blog. farei uma categoria sobre técnicas de desenho. dicas, processos, ou se eu puder, alguns tira dúvidas. estou preparando um post sobre fanzines e arte final. mas se vocês tiverem alguma pergunta, ou queiram saber sobre alguma técnica específica, é só escrever por email ou nos comentários, seria interessante saber o que têm curiosidade e que pode virar um post. também pretendo chamar artistas amigos para falar sobre seus processos e trabalhos. O buteco está aberto!



Nosso primeiro photoshoot oficial! ficou lindo e foi agradabilíssimo! Essa brincadeira virará coisa séria! Confiram aqui! e garanta a sua camiseta. e um grande obrigado a todos os que apoiam!

terça-feira, 24 de agosto de 2010



não resisti e tive que roubar do blog de Nicola Formichetti a entrevista com Jo Calderone, capa da Vogue Hommes Japão, ahaahahahaha :


JO CALDERONE - INTERVIEW

WHERE ARE YOU FROM?
Palermo, Sicily

HOW WOULD YOU DESCRIBE WHAT YOU DO / YOUR
OCCUPATION?
Mechanic for my dad's business. This is the first time I've had my picture taken.

WHEN DID YOU DISCOVER YOU WANTED TO TO THIS?
Well, I always helped my dad at work, since I was a kid. I thought it would be fun to have my picture taken.

WHAT ARE YOUR AMBITIONS?
I'd love to own my own car shop, I have a bunch of my own ‘muscle’ cars.Maybe if I take some more pictures I can afford it.

WHAT IS YOUR RELATIONSHIP TO LADY GAGA?
I met her at a shoot Nick Knight was doing. She's fuckin beautiful, and funny,and interesting. I was a little nervous for Nick to start shooting. She said,"Don't be baby, you were "born this way." I took her out after. The rest isprivate ;)

INTERVIEW BY JO-ANN FURNISS

como não amar? ahaha. só eu acho que Gaga e sua Haus devem se divertir muito trabalhando? amo!




Nesses dias, filmes têm sido meus companheiros mais presentes. Sempre que fico um tanto mais introspectivo, me atualizo e vou atrás daquelas obras que sempre quis ter, mas nunca pude assisti-las por preguiça ou dificuldade em encontrar nas locadoras e cinemas. A internet revolucionou essa questão, e agora posso ter facilmente filmes fantásticos como A Hora da Estrela, cujo livro é um dos meus preferidos e mais marcantes da minha adolescência. Além disso minha mãe sempre comentava desse filme, que ela tinha visto quando era garota e queria revê-lo. vou levar pra ela, acho que ela gostará. tenho certeza que é um filme certeiro e cairá como um luva pra muitas coisas agora. Eu já aprendi que é sempre assim, sem querer forçar uma situação fantástica e mística, mas acho que as obras certas sempre caem em minhas mãos no momento certo, em que realmente deveriam servir, necessária reflexão, coerente socorro espiritual. arte que salva. Foi dessa forma que só fui ler A Metamorfose de Kafka, mais ou menos uns meses antes de pedir demissão do meu último emprego. Quero ver Hora da Estrela hoje. vejamos o que eu e Macabéa temos em comum. Clarice Lispector sempre me intimida.

Vocês conhecem Caravan Palace?



Eu amo! Electro Swing pra todos!

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

A incrível arte de Regina Mako




Quem segue meus trabalhos já sabe que sou apegado tanto a temas e imagens consideradas fortes, sérias, polêmicas quanto por coisas meigas, fofas, infantis, bobinhas. E adoro mesclar e variar com isso, faz parte das coisas que aprecio e que me constituem culturalmente. De Pokémon à pornografia, de Totoros à Barroco. acho que isso se deve à minha tendência Superflat, um dia falo mais disso aqui.

Mas a artista fantástica que apresento hoje é só fofura e amor. Regina Mako ( ou NekoFoot ) é americana, e tem um estilo hiper agradável, que não fica somente em mostrar de forma bonitinha, mas cria micro historinhas, narrativas cute e divertidas, com um traço firme, mas super delicado, ágil, vivo. Seu uso de uma paleta com poucas e bem pensadas cores ( algo que prezo muito ) é fascinante. Regina mistura todo seu amor por pets com pitadas de desenho publicitário dos anos 50-60, mangakas japoneses, com uma massa da estética cupcake atual, mas acho que ela se sobressai dessa ondinha cupcake em termos estéticos.

o DeviantArt de Regina é: http://nekofoot.deviantart.com/

deliciem-se:









Reaction

nanquim. lápis, photoshop e pesquisas vintage no google. 2010

( Ando desenhando boxeadores, boxeadoras, auto retratos como boxeador, até divas da música pop como boxeadora..não faço a menor idéia o porquê desse apego com pugilismo agora. não, não é fetiche. pessoas suadas com hematomas não seriam o que eu chamaria de estimulantes. ( aliás, o fato de você desenhar determinado tipo de figura, não significa necessariamente que possa ter algum tipo de desejo sexual implícito ali. mas isso é assunto pra outra conversa. ) talvez no fundo tudo seja de fato um tipo de fetiche, mas talvez seria interessante descontruir as várias idéias e significados que a palavra fetiche pode ter.

No caso desse desenho, poderia falar sobre o fetiche que é se controlar, tomar conta dos nossos sentimentos perante alguém que não sabemos se amamos ou odiamos. é o típico cliché dos animes e comédias romanticas, das pessoas que brigam, mas no fundo se gostam. a idéia de luta, de agressão mútua me deixa tão perturbado, pois me remete a tantas coisas que vivo, vivi e ainda viverei. machucar-se e machucar outrem é uma sina eterna que teremos que carregar. machucar quem a gente ama. machucar pra se defender, machucar pra retrucar, machucar por prazer e pra nos provar algo. assim como os pugilistas, machucar-se uns aos outros por holofotes, para nos dar diversão, circo. para ser viril, pra se superar. E são esses sentimentos-palavras-estados que têm sido mais familiares em minha rotina atual: cicatriz, reerguer, reagir, reagir, resgatar, recomeçar, lutar, bater, vencer, perder, conquistar, ser justo, jogar honestamente, jogar desonestamente, apanhar, cair. levantar. sim, cada sensação com seu respectivo contraposto, visto pelos dois lados da moeda, Num mundo em que não há vítimas nem carrascos, nem inocentes, nem culpados. todos, eu, eles, você, lutando de igual pra igual, com o mesmo direito de querer sorrir mais, dormir mais leve e se sentir um pouco especial, talvez. lutadores. juntando forças, pra reagir. contra a inércia da alma.

Bom, não acho de forma alguma que o parágrafo acima justifique ou soe como explicação, conceito ou que seja para o desenho. aliás, eu tenho uma certa preguiça e irritação com "defesas" ao pé da letra, forçadas. isso vem de algumas reuniões de apresentação de campanhas publicitárias para alguns clientes passados. Na publicidade tentam te convencer a entender exatamente o que eu defini, a minha idéia tem que ser vendida. Não é algo errado, afinal, negócios são negócios, mas aqui no caso, com uma imagem feita sem nenhum propósito comercial (a princípio - de imediato ), tudo é apenas um pedaço do todo que é construído por várias pessoas, o tempo inteiro. A idéia de cada pessoa, e até eu mesmo no futuro, acrescentar, entender e ver algo diferente, ter sua própria interpretação e vivências ( a partir dos dados e eixos que seleciono e organizo ) me soa muito mais interessante e divertida.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

metafísico.

Qual Chibi Gaga você gostaria que virasse a próxima estampa de camiseta?





( Which is your favorite Chibi Gaga
to be the next T-shirt Design? )

Enquete ali no lado direito do blog, pessoal, participem! o próximo modelo de estampa será decidido por vocês! You are the kings, You are the queens!
relembrando, os dois modelos concorrendo são:


Bubbles DressKermit Dress

Cada estampa terá no máximo 2 cores aplicadas.

quero me entregar

me entregar à tudo.
pois só entregue, a alguém, a algo, ao mundo, eu não me pertenço mais.
e não me pertecendo mais, eu posso dormir.
eu posso descansar, eu não sou meu mesmo.
não é bem assim fácil, é preciso passar por um ritual-processo, de esvaziamento de toda uma energia vital, uma vontade, uma alquimia, por assim dizer.
tenho que esgotar esse tanto de vontade, tenho que transformar em matéria, não faz sentido só querer, tem que produzir, esvaziar, e transformar.
acordei bem cedo pra resolver uma coisa que só podia ser resolvida antes das 8 da manhã.
não quis dormir mais, porque eu não deixei.
não tenho me deixado, nem permitido.
e sinceramente não sei o quanto isso é bom ou ruim.
é necessária, eram previstos os custos.
Deveria ser mais fácil se entregar pro mundo.
Eu sei, porque já me entreguei algumas vezes. e eu nunca me senti tão bem.
Não há sensação de leveza maior do que tirar o peso de ser o que vc quer ser o tempo todo das costas e simplesmente ser, e não ser nada ao mesmo tempo. é somente estar. em um lugar aconchegante, macio, quente. esse lugar é seu coração.

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Chibi Gaga # 38



Continuando os looks mais antigos. esse que adoro, o vestido de Cacos. Pensando seriamente em transformar esse chibi em próximo modelo de estampa pra camiseta, o que acham? Gostei muito de fazer esse.

Ecologicamente correta, a jaqueta de sapos de pelúcia usada em um programa de TV alemão mudou os paradigmas da moda - e da cultura de celebridade. A mídia topou o blefe da cantora: A People chegou a "entrevistar" o sapo Caco, dos Muppets, ( Kermit ), que jurou não ter um caso com a cantora. O grupo de proteção aos animais Peta sugeriu a Gaga que vestisse a peça, criada pelo irreverente estilsita Jean Charles de Castelbajac em uma campanha contra o uso de peles. " Adoro essa roupa, pois acho que é uma explicação de por que não devemos vestir peles", disse Gaga.



promo






.

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Sejamos francos




"Porque eu tenho medo, de que você também me esqueça."
( Dora, carta. Central do Brasil )

Não há maior medo nesse mundo. o medo de ser esquecido. de ser apenas uma recordação pálida, desvinculada de emoção, força, talvez saudade. é o meu medo. talvez o maior de todos. sabemos que em alguns casos isso é inevitável. mas o medo prevalece. você tem medo de que esqueçam de você, e tudo que você significou?

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Biscoitos Doraemon


Delicosos biscoitos Doraemon, meu ídolo da infância de Virgem da Lapa. sim, não me perguntem como ele foi parar lá, na embalagem do biscoito da marca..Biscoito! algumas cidades do interior como a minha chamam esse biscoito de "Pêta."
presente do Alvaro. <3

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Paredão

Quando estou desenhando alguma série ou projeto de maior porte, gosto de fazer um grande mural, um paredão com imagens, referências e guias de proporção que estou usando. Geralmente imprimo as imagens em PB, e as colo com fita crepe, pra sempre ter aos olhos e observar como um conjunto de formas, texturas e proporções. Acho que vale a pena fazer isso, pois se você é uma pessoa com dificuldades de foco como eu, que se dispersa fácil, é um execelente guia. fora que fica interessante graficamente, até como fotografia, ver tudo aglomerado.

este é um comecei a montar hoje, são referências de uma nova série que estou começando, ainda sem título, mas com algumas idéias já. logo serão muitas folhas sobrepostas.




Essas foram algumas imagens usadas no meu trabalho de conclusão do Curso de Artes Visuais em 2008. Só no caso, não só usei como referência pro desenho, mas também usei como parte do desenho, na forma de técnica mista com colagem, pintura e linha. a série de painéis sobre a parede da Galeria se chama Cheio de Vazio. algumas figuras da exposição Concepção: